Nutefi » Blog Archive » [*] ARTROSE – Conceito, etiologia e quadro clínico com possíveis tratamentos complementares preventivos e reabilitadores
content top

[*] ARTROSE – Conceito, etiologia e quadro clínico com possíveis tratamentos complementares preventivos e reabilitadores

 

                                                                                                                                                                                                                 Évito Gomes*

                                                                                                                                                                                                                Cleidir Silveira **

                                                                                                                                                                                                                 Alberto Farias ***

           

Conceito

 

A artrose é a forma mais comum de reumatismo, sendo um dos principais fatores determinantes que afetando a maior parte da população depois dos 60 anos, invariavelmente. Já no que diz respeito a artrose vertebral, define-se como um estado de progressiva deterioração da articulação vertebral, que caracteriza por erosão da cartilagem articular e neoformação óssea nas bordas articulares pelas osteófitoses. Deve ressaltar-se que a cartilagem corresponde a um tecido esbranquiçado, liso e de consistência elástica, que cobre a superfície dos ossos dentro das articulações. Sua função esta em absorver o peso e permitir maior mobilidade articular.

 

Etiologia

 

É ao mesmo tempo idiopática como adquirida, pois nesta estrutura vem ocorrer a degeneração que leva a uma evolução para artrose. E essa disfunção irá resultar de uma possível destruição de maneira progressiva dos tecidos que compõem a articulação, onde terá como causa progressiva dor, deformação e limitação dos movimentos.

Assim sendo, o estabelecimento da artrose, inicia-se através de uma deterioração da cartilagem, que tender a regularidade e elasticidade, o que diminui a sua eficácia e contribui para a sua destruição adicional com o uso repetido e a carga traumática. Com o tempo, grande parte da cartilagem pode desaparecer completamente. Na ausência de parte ou totalidade da cartilagem.

 

Quadro clinico

 

Os ossos atritam diretamente entre si, causando crepitação, certo grau de inflamação, dor e limitação de movimentos, porém com a evolução, a articulação pode sofrer deformação visível ou palpável, cuja tradução mais comum são os osteófitos, conhecidos popularmente na coluna, por “bicos de papagaio”. Já em fase evolutiva bastante avançada, as estruturas de contenção passiva da articulação, como a cápsula articular e os ligamentos, colocadas sob tensão excessiva, podem-se inflamar, retrair ou mesmo romper.

 

Técnicas e agentes reabilitadores

 

  • Alongamento – esta técnica é importante pois permite maior flexibilização dos grupos musculares envolvidos na realização dos movimentos das articulações sofredoras de insultos traumáticos pela artrose. Evitando-se o contato entre os ossos acometidos.      

 

  • Massoterapia – estas manobra ajuda no desgarramento das camadas superficiais das fibras musculares que se encontram sobre o tecido ósseo, evitando-se a adesão e por conseguinte a limitação anatomofuncional das articulações acometidas.  As manobras indicadas são o deslizamento associado com amassamento muscular dos músculos que revestem a articulação ou as articulações. Ademais, pode-se realizara também a técnica tonificante para se melhorar o tônus muscular em condições onde há falta de equilíbrio da pessoa que sofre desta patogênese.

 

Observação: Deve-se aqui salientar, que a manobra massoterapêutica são movimentos cinesioterapicos que corroboram tanto com a prevenção como com a reabilitação, já que os efeitos fisiológicos são reconhecidos nos tratamentos de patologias traumatológicas.

 

  • Geoterapia – o emprego da argila em pacientes/clientes, sofredores de artrose é muito saldável, já que esta age como uma técnica que pode moderar a evolução minimizando o efeito danoso durante o processo evolutivo da doença, propriamente dito, que ora pode colocar em risco a pessoa em suas atividades ou mesmo limitar. A argila medicinal traz em sua composição, minerais, que são encontrados também nos ossos, por isto, sua correlação e importância. Fazendo-se com que a pele permita que os componentes da argila cheguem até as camadas em destruição dos tecidos ósseos, propiciando uma maior resistência, evitando sua destruição abrupta.

 

Como aplicar argila – porém a argila se prepara da seguinte forma: prepara-se a pasta de argila, utilizando agua levemente para quente, observe uma possível sensibilidade aumentada do paciente, e aplica-se no local afetado. Após cobre com plástico e logo a seguir coloque uma toalha, para que se mantenha a temperatura.

 

  • Massoterapia com aplicação de toalhas úmidas – o uso do tratamento com este tipo de agente físico ajuda num relaxamento global dos músculos da região afetada, evitando-se atrito ósseo, desativando crise de dores agudas e crônicas da artrose.

 

Referências

 

 

1 – GOMES, É. Reabilitação Através da Massoterapia – Teoria e Prática. Editora Insular, 2009.

2 - LEONELLI & MARTINS. Do-In, Shiatsu e Acupuntura- Uma Visão Chinesa do Toque Terapêutico. Editora: Roca, SP, 1998.

4- SOAMES, RogerAnatomia e Movimento Humano – Estrutura e Função. Editora: Manole. 3ª Edição. 2000.

* Évito Gomes – Massoterapeuta e Técnico Superior em terapia Física e Reabilitação pelo I.T.S – Instituto Tecnológico de Saúde – Havana – Cuba. Especializado em Massoterapia Funcional e Neurológica.Colaboradores

** Cleidir Silveira – Formacão – Técnica em Reabilitacão Massoterapia Ne uromuscular pela ETTF – Escola Técnica de Terapia Fisíca. Especializada em argentes terapeuticos naturais voltados aos tratamentos massoterapeuticos e técnicas sutis articulares. Membro do CONBRAMASSO – Conselho de Auto-Regulamentacão da Massoterapia.

*** Alberto Farias – formado em Portugues e Técnico em Acupuntura, fez as correções gramáticais do texto.

Data: 31/12/13